BLOGGER TEMPLATES AND Tagged Layouts »

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Do bendito exame dos professores...

Ora aqui está uma questão bicuda, a do exame dos professores. Eu devo desde já dizer que sou 100% a favor da avaliação dos professores. Já desde o meu secundário (há uns seis anos atrás) que oiço falar desta luta, e por muiro que gostasse de ser dos carneirinhos que se manisfestam com a FENPROF, já tive demasiados maus professores na vida para ser ingénua.
Os professores não querem ser avaliados. É u facto. Também eu não queria, mas tinha exame uma vez por ano no secundário e duas na faculdade. E também eu estudava, estudamos todos. E fiz os exames, mesmo quando era injusto, quando era avaliada em disciplinas que em nada tinham a ver comigo e que eu simplesmente não conseguia entender.
Humilhação? Talvez, mas mais se humilham os srs. professores a fazer as cenas que vi hoje na TV. E quem não deve, não teme, sempre ouvi dizer. Ou os srs. professores preferem admitir que não sabem o conteúdo da prova? Melhor ainda, que estão efetivamente inaptos para exercer?
Porque eu já conheci muitos assim. Eu tive uma professora primária que me bateu e humilhou, como aquele menino das notícias. Tive professoras a dar aulas com depressões. E até tive um professor na Universidade que adormecia e espumava da boca nas aulas.
Por isso, eu concordo plenamente, não é desta avaliação que os professores precisam. É de uma avaliação individual e isenta às suas capacidades cognitivas e psicológicas, sem espetáculos.
E o sr. Crato precisa de parar de tentar impedir os novos de entrar na carreira docente, e em vez disso dar a reforma a quem há muito precisa dela, porque esses sim, por sua culpa ou não, pioram o ensino em Portugal.
E tenho dito.

sábado, 14 de dezembro de 2013

O 'Preto da Guiné'

Já cá não escrevia há muito, mas esta não posso deixar passar. Eu sei que Portugal, como muitos países colonizadores, tratou um pouco mal os negros e os seus países, mas quando lhes dá para retaliar também não são nada meigos.
Primeiro, os Angolanos a comprar todas as nossas empresas, e aquele incidente diplomático estranho com o sr. Ministro dos Negócios Estrangeiros, que agora me falha o nome. A seguir, os Moçambicanos a atacar, roubar e matar Portugueses por dá cá aquela palha. Agora esta coisa da Guiné.
Eu sei que eles estão habituados a reagir assim, e que a Guiné é efetivamente um país instável, mas é preciso ver que estamos numa comunidade internacional, e se eles querem ser reconhecidos e respeitados, têm de se reger pelas normas aceites em comunidade.
A TAP suspendeu as ligações à Guiné, e com toda a razão. O avião português é solo português, por isso ao enviar os Sírios, que neste caso nenhuma culpa têm, não intercetaram o avião nem se impuseram por vontade própria, o Governo Guineense a modos que invadiu Portugal.
Podem não haver armas, mas isto é efetivamente o equivalente a uma situação de Guerra, e como tal, não podemos correr o risco de ser novamente atacados.
Eu tenho imensa pena do 'preto da Guiné', bem percebo que quer passar o Natal em casa, mas não foi o Governo Português que o impediu, foi o Guineense. Ou eles gostavam que lhe dissessem 'olhe, agora tem aqui 70 Sírios, vão passar o Natal em sua casa, e se recusar é despejada?'

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

A magia dos correios...

Ah, é outra vez aquele maldito mês do ano em que receber correio se torna uma espécie de milagre. O que não ajuda são os correios com greves, e aquela história da privatização... e as mãozinhas mágicas.
As coisas ficam super chatas para mim porque sou paranoica, e por coincidência ou não, esta é das alturas do ano em que mais correio recebo. E na minha posição podem apostar que a maioria não são compras.
O mês passado o meu cartão multibanco mudou, e andei duas semanas a suster a respiração enquanto ele não chegava. Há uns meses, uma amiga fez uma encomenda de livros que nunca chegaram. O ano passado extraviou-se-me um prémio de um sorteio e duas encomendas para posts.
Portanto acho que ninguém me censura por estar um pouco nervosa por estar há duas semanas à espera de uma encomenda internacional que se não chegar pode prejudicar uma parceria. Ou por amostras nacionais que já pedi à perto de duas ainda cá não estarem. Porque as coisas mais pequenas são sempre as mais prováveis vitimas da magia, e o Natal é uma época propícia á magia.
E eu  sei que neste caso são coisas pequenas mas... e se forem maiores? Eu não tenho de ser o Pai Natal de ninguém, e se quisesse, fazia doações.
Por isso, esperemos que para variar, a magia dos correios esteja a meu favor. Ou então eu vou ter de dar um péssimo início de ano a alguém na estação mais próxima.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Ratos, queijo e armadilhas

Bem,  parece que acabei de me tornar uma estatística. E nem sequer é a do número de desempregados.
A vida não está fácil. Não está fácil em geral, muito menos para quem está limitado a uma pequena escolha de profissões e àreas geográficas, por uma razão ou por outra.
Não tendo uma formação particularmente útil, e sem experiência, uma pessoa à procura de ocupação responde a tudo em que pareça possível darem-lhe uma oportunidade. A questão é, no desespero, somos apanhados por muito boa gente que se aproveita para fraudes.
A noite passada, estava o meu telemóvel no modo de silêncio a carregar, recebi uma chamada de um número de telemóvel que não conhecia. Como não tive oportunidade de atender e ando em busca da dita oportunidade, fiquei preocupada, apesar de achar absolutamente indecente as horas a que fui contatada.
Esta manhã lembrei-me de pesquisar o número no Google, e descobri que aparentemente pertence a uma empresa que tem uma reputação menos elogiosa. Pior, a uma empresa para a qual, tanto quanto sei, nunca me candidatei (eu fui ver aos meus emails). O que torna as coisas mais complicadas, porque ao que parece, a dita tem várias encarnações, o que a torna difícil de evitar. Já para não falar que fico sem saber como é que me candidatei para trabalhar para eles.
Isto é complicado, porque uma pessoa arrisca-se a candidatar-se a um esquema sujo, para uma função que não tem nada a ver com o anunciado, e assim é quase impossivel evitar cair na armadilha.
Fico feliz por não ter atendido, porque não saberia lidar com a situação. E sei que se aquele número voltar a ligar, provavelmente não vou atender. Mas isso não me deixa menos indefesa em relação a estas situações. E quem sabe quantas mais vezes vou passar por isto, tendo em conta o número de ofertas anónimas que por aí andam, já para não falar das que não são anónimas, mas são como pedófilos a apanhar criancinhas nos chats, se é que me faço entender.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Da nova lei das promoções...

Bem, parece que um Pingo Doce assusta muita gente. Tanto, que o governo decidiu que é preciso apertar as leis em relação a promoções. Porque o nível de vida neste País já não é impossível por natureza, bora lá proteger os produtores e entrar ainda mais no bolso dos pobres.

E perceba-se, eu entendo o lado dos produtores, e não estou de modo algum do lado dos intermediários. Mas algo está mal quando se tem de pagar muito mais caro pelo produto local do que pelo estrangeiro que deveria ter bastantes custos adicionais, por ser importado. E como disse aquela senhora na TV, nesta altura com a crise, faz falta que as coisas sejam baratas.

E depois, sejamos sinceros. Não são as promoções abusivas, por muito que possam dar a ganhar aos chamados operadores, mais do que aos consumidor, o maior problema dos pequenos produtores. O maior problema dos pequenos produtores é o País que temos, em que o tempo nem sempre ajuda, o solo está muitas vezes mal tratado, e incentivos e compensações nem vê-los.

E que depois ainda por cima está inserido numa União Europeia, que limita e restringe a produção, e nos obriga a comprar fora. E onde andam os governos para exigir à UE condições que protejam os nossos produtores?

Eu não me vou alargar mais, até porque não pretendo ser especialista e não conheço o documento, mas devo avisar que se é mais IVA que os srs. do Governo querem com esta ação de pseudo-caridade, podem esquecer, que o nosso dinheirinho vai direitinho para a Holanda...

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Da NSA, Snowden e as escutas...

E pronto, lá anda tudo a correr como galinhas sem cabeça outra vez. Eu sei que estamos na era da informação e isso assusta, mas exatamente por estarmos na era da informação é que já toda a gente devia estar à espera disto.

  • Prova nº1 - se há pirataria informática para pedófilia, roubos, hackers que destroem sistemas inteiros...porque raio não haveria de haver espionagem entre estados, ainda por cima quando falamos da maior agência de segurança do mundo?
  • Prova nº2 - pelo amor de Deus, a o Hitler já morreu há 50 anos e a Guerra Fria já passou há mais de 20... ainda há mesmo alguém que acha que a espionagem não existe?
  • Prova nº 3 - são os Estados Unidos . se eles conseguem inventar armas quimicas no Iraque, achavam mesmo que alguém escapava à paranoia deles?
  • E finalmente Prova nº 4 - ainda há mesmo alguém que ache que a diplomacia não era um jogo sujo depois do WikiLeaks????
A verdade é que, eu já li há quase um ano que os EUA tinham andado a investigar o Brasil de Lula. E peço desculpa se é ignorância minha, mas acho que isso já foi pré-Snowden.
É claro que Obama sabe... Obama só não saberia se não quisesse ou se outra pessoa o impedisse, por razões ainda maisgraves, pelo menos para ele e para a politica interna dos EUA. 
E é claro que é grave. Os EUA são um país paranoico por natureza, basta ver os filmes que por aí andam, e depois de 2001 ainda mais. Mas Obama era suposto ser o cúmulo da virtude e transparência, e em vez disso põe em causa a confiança e as relações com os seus maiores aliados, os escolhidos e os forçados.

Se me espantou? Não. Se me choca? Não. Se me incomoda? Não muito, seria de esperar. Só tenho pena que tenha de ser Obama a ir, por muito que não goste dele, e não outros que me incomodam mais. 

Estou é curiosa para saber que mais pode sair das Caixas de Pandora por essa internet fora...

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Podemos todos parar de perder tempo?

Se há coisa que eu cada vez mais reparo é que as pessoas nunca pedem o que querem. Seja um favor, uma oferta de emprego, o que quer que seja. E isso irrita-me. Se querem um comercial, um admnistrativo ou um especialista em contabilidade, não pedem um licenciado em relações internacionais.
Se querem um web designer, não pedem um licenciado em marketing. O mesmo se querem um designer gráfico.
E honestamente, já está na altura de esta gente perceber uma coisa: não é só a procura que se tem de adaptar à oferta. Se têm um lugar aberto há séculos, não vai aparecer um milagre e preencher o lugar só porque foram teimosos e continuaram á espera. E que tal pensarem que talvez sejam os vossos requisitos que estão errados? Não será tempo de se adaptarem também?
E já agora, para que fiquemos todos esclarecidos. Relações internacionais e relações empresariais não são a mesma coisa. Eles sabem línguas e nós também, mas nós somos aspirantes a diplomatas e politicos, eles a gestores. Nós aprendemos economia e direito sim, mas não para negociar contratos e fazer encomendas. Eles sim. Por isso façam o favor de parar nos fazer perder tempo, sim?

terça-feira, 22 de outubro de 2013

An Ancient Dilemma

Eu sou teimosa. E já me disseram esta semana que tenho um feitiozinho. E eu calei-me, mas podia ter respondido 'tenho pois!'. E um destes dias sei que vou pagar por ele. Só espero que não seja hoje.
Eu sou emocional e inexperiente, e por isso sempre que tento embarcar numa nova aventura é um acontecimento, que me deixa tão ansiosa como entusiasmada, e já tenho pago por isso, espero que não aconteça desta vez.
Eu sei que não devia fazer estas confissões num lugar público, onde toda a gente, incluindo pessoas que me podem garantir ou negar oportunidades podem ler, mas também sou irritantemente honesta, e por isso prefiro desabafar.
Hoje vejo-me de novo frente a frente com um dos meus mais antigos dilemas: estar ou não no Facebook. Ontem surgiu uma oportunidade, e hoje descobri que não ter facebook me pode impedir de agarrá-la. E parecia uma escolha fácil de manhã quando acordei. Pronto, é desta que crio um, começo a participar em mais sorteios, posso falar com este ou aquele amigo...e talvez até agarrar esta oportunidade.
Mas depois chegou a hora. Abri a página inicial do Facebook, decidida, e lembrei-me do porquê de não o ter feito até agora. Os murais que parece que nunca acabam depois de começarmos a gostar de certas páginas, as intrigas, as fotos indiscretas, as acusações... A verdade e que não me quero sujeitar a isso a nivel pessoal. Por muito bom que pudesse ser para a minha carreira, ou para o blog.
E por isso, enchi-me de coragem e disse a verdade à pessoa que pode retirar-me esta oportunidade que tanto quero.
Será teimosia? Não creio. Não vou negar que também o faço por uma questão de coerência, mas a questão não é essa, não sou aversa a trabalhar com o Facebook, vonfesso que visito Facebooks em buscar de fotos ou informação, e não teria problemas em usá-lo em termos profissionais.
Só que eu sou uma pessoa, e prezo a minha paz e privacidade, e no Facebook, as duas coisas são impossiveis de dissociar.
E por isso continuo, e continuarei, a fugir, por mais que me prejudique, que me dificulte a vida, por mais dificil que pareça na àrea que escolhi para mim.
Porque no fundo, é isso, uma escolha. E eu escolho ser honesta, comigo e com outros.


sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Nostálgia...

Têm sido dias nostálgicos. Ontem e hoje quero eu dizer.

Ontem passei a tarde com a pessoa que é a minha amiga mais intima desde os meus 10 anos...meia vida, portanto. Ela tem uma prima, que tem agora essa idade, e estuda precisamente na escola em que nos conhecemos. Ontem apareceu com os amiguinhos lá por casa. Foi estranho. Só vejo a menina uma ou duas vezes por ano e não tinha notado ainda o quanto ela tinha crescido. Foi ouvi-los falar de jogos que conhecíamos, mas não nos teríamos atrevido a jogar na idade deles, foi ouvi-los falar dos sítios por onde andávamos, e agora já não são os mesmos, das coisas que eles têm e nós nunca chegamos a ter.

 Foi um mar de recordações e memórias, que só tendem a acentuar, e estranhamente, cada vez mais vivas.

Coincidência das coincidências, de noite vi um antigo colega na TV. Têm noção do quão estranho isso é? Ver alguém com quem convivemos conviver com outra pessoa da mesma forma na TV? É estranho, e engraçado, e faz-nos comparar o que conhecemos daquela pessoa com o que ela está a mostrar, faz-nos querer adivinhar o seu futuro, mas mais que tudo faz-nos recordar outros tempos.

Não vou dizer que foram tempos fáceis, mas comparados com outros da minha vida, vejo agora que foram dos mais felizes.

E tendo em conta que ele vai estar de novo na TV hoje, não resisto a desejar-lhe boa sorte, vou estar a ver, atentamente, e a torcer por ele. xD

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Maddie

Bora lá meter o dedo na ferida, que já não o faço há muito, e tenho de deitar fora nalgum sitio sobre alguma coisa.

Eu confesso que não sou a pessoa mais atenta do mundo. Demorei dias a aperceber-me do caso Maddie, mas já na altura achei tudo aquilo muito estranho. Todo aquele aparato, os pais deixarem os gémeos sozinhos para ir fazer uma verdadeira turné promocional logo após perderem uma filha... tudo.

Mas agora já é demais. Poupem-nos a todos.

Passaram seis anos, o caso foi arquivado em Portugal passado dois, mas mesmo assim, uma ou duas vezes por ano surgem novas pistas que não levam a nada. Agora até meteram a BBC nisto.

Todos sabemos que os ingleses não gostam que lhes questionem a honra, e todos sabemos que os McCann são, e ao que parece cada vez mais, influentes, mas isto começa a ser patético.

Como é que é possível que eles demorem SEIS ANOS a provar que um suspeito era inocente, quando as circunstancias se revelam tão óbvias?

Como é possível aparecer uma nova testemunha, que só se lembrou SEIS ANOS DEPOIS que viu um homem ali.

Como é possível que um homem tenha estado apenas minutos antes de Kate McCann no quarto da menina e não se tenham cruzado?

E já agora, como é que é possível que as testumunhas possam ser inglesas, que são quase sempre, mas nunca os suspeitos?

Tenho de dar os parabéns à Scotland Yard e à BBC, porque realmente a construção do racicionio, falhas lógicas à parte até está bastante bem feita, mas ainda alguém acredita que esta investigação vai dar frutos?

Eu tenho as minhas teorias, que não vou revelar, porque já me chega ser polémica, não quero também incorrer em atividade criminosa, mas toda esta situação me dá uma real volta ao estomago.

domingo, 6 de outubro de 2013

Das revistas de Música em Portugal (aka Blitz)

Sabem, isto hoje vai ser diferente. Porque este belo, espero eu, artigo vai ser muito pessoal, sem ser exatamente sobre mim. Este post surge de uma cogitação que tenho há anos, e que se tornou séria quando fui atirada de para-quedas para que a fase 'tens de decidir o que fazer da tua vida'. E eu tentei adiar, porque tenho a impressão que corro o risco de ser idiota, mas não o posso fazer mais.

A minha paixão é a música, o meu talento é a escrita. Ou pelo menos foi do que me convenci ao longo dos anos. Sempre me imaginei a trabalhar numa grande revista de música, tipo Rolling Stone, Billboard, NME, até uma Kerrang! ou Rocksound. Depois um dia descobri que dificilmente sairia deste País, e foquei as minhas esperanças numa tal de Blitz. Vá, é a mais conhecida, mais reconhecida e mais generalista das quase inexistentes revistas de música no nosso País, e por isso tornou-se o meu sonho.

A questão é que, ao longo dos anos, concluí que, na verdade não gosto de ler a Blitz. Eu devo ter uns 4 ou 5 números da revista aqui por casa, se tanto, porque eu tentei, a sério que sim...mas a verdade é que não me identifico com ela.

E porquê? Porque sempre que vejo a Blitz nas bancas, está alguém morto ou pelo menos bastante ultrapassado na capa. Porque reconheço todas as bandas citadas pela dita capa, mas a maioria delas atingiram o seu auge nos anos 90 ou antes. Porque na verdade penso, e posso estar enganada, não sou dona da verdade, que a versão impressa da Blitz está perdida no tempo .ligada a um grupo elitista que terá a mesma idade dos seus jornalistas e editores, e que portanto apenas ouve música de outros tempos.

Eu sonho trabalhar na Blitz sim. Mas na Blitz mais na sua versão online. Sonho que um dia se possa encontrar na suas páginas uma revista verdadeiramente generalista, que não tem medo de falar não só de Nirvana e Janis Joplin, mas também dos Expensive Soul, dos Azeitonas, de Miley Cyrus e de Katy Perry.

Eu sonho com o dia em que a imprensa portuguesa seja um lugar que a Blitz, ou qualquer outra revista de música, nem que tenha de ser eu a fundar uma, possa ser realmente generalista, atual, representativa de todos os amantes de música, pelo menos da dita "comercial".

Serei assim tão sonhadora?

domingo, 29 de setembro de 2013

A Melhor Prenda! Parabéns João Sousa =)

Hoje eu faço anos. Mas vou deixar os outros dar-me os parabéns, porque na verdade há quem me encha de orgulho e os mereça bem mais do que eu neste dia.

O João Sousa ganhou o Open da Malásia! Não espero que muita gente perceba o quão enorme isto é, ou o quão enorme isto faz o João, mas para mim é a melhor prenda que tive hoje até ao momento, e olhem que até tenho tido prendas boas =)
Ao vencer este torneio, o nº1 português tona-se o primeiro a vencer um toneio ATP, um dos mais importantes do ténis masculino mundilal. Pelo caminho. venceu nomes de grande experiência e até um dos 20 melhores do mundo.
Isto vindo de um jogador discreto, de quem pouco se ouve falar.
E por isso ganhou o meu respeito e merece os meus mais sinceros parabéns neste dia!

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Ao Constitucional...

Epah, chamem-me extremista, comunista, o que quiserem. Ok, comunista talvez não,  não gosto dessa gente.
A verdade é que acho que definitivamente leis que deviam ser mais apertadas neste País.
Primeiro há o sr. do BPN, que cometeu um crime, mas apenas levou 'termo de identidade e residência', sem sequer ser obrigado a apresentar-se, e assim pode dar-se ao luxo de desaparecer.
Depois há a lei, que é revogada passado um ano, mas cuja revogação não pode ser retroativa, o que é um verdadeiro ataque à equidade, se me perguntam.

Mas o que mais me confunde é que um governo possa incorrer em 'homicídios constitucionais, na forma atentada' e não seja punido. Eu acho que um governo que tentou passar cinco vezes leis inconstitucionais, e a Assembleia, que subsequentemente as aprovou, deviam ser automaticamente punidos com o despedimento. E com a mais justa das causas.

Só acho que incrível que os Patriotas que com a Defesa do Interesse Nacional na mente fizeram a nossa Constituição nos anos 70 não se tenham lembrado disso...e de um plano B para demitir o Presidente da República.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

This is Rage!

Bem, eu vou fazer esta review aqui, porque acho que este livro não interessa a grande parte da minha audiência. Eu na altura vi-o, e dava para ler sem ter de ser aprovado e parecia-me bem. Dizia que falava das vidas das pessoas de Silicon Valley, o epicentro da tecnologia americana, e eu pensei que fosse interessante, porque sou ligeiramente geek.
Na verdade este livro é pura, se bem que bem fundamentada, ficção. Ele passa-se efetivamente em Silicon Valley, mas não é propriamente o conto de fadas sobre a construção de uma grande empresa tecnológica, que eu esperava.
O livro começa com um rapto, numa festa de uma das grandes empresas de Silicon Valley, por dois amadores, que falham o alvo e acabam numa situação muito diferente da que tinham planeado. Eles só querem montar a sua própria empresa tecnológica, mas acabam metidos numa enorme confusão com politicos, empresários, um programa de rádio, uma greve geral e uma congressista que não tem ideia do que faz. Entretanto, o mundo não pára, e negócios continuam a correr, o que traz ao livro uma dimensão económica, que acaba por dominar grande parte do livro, tornando-o um pouco aborrecido, para quem não percebe nem quer perceber aquilo.
Eu acho que a história se arrasta um pouco, em parte por causa das explicações politicas, económcas e tecnologicas, que embora essenciais, conseguem ser realmente aborrecidas, mas está bastante bem constuída, e nunca chega a tornar-se repetitiva e a empatia com os personagens é construída com destreza, fazendo o fim, pelo menos para mim, não ser completamente satisfatório.

Dúvido que alguém esteja efetivamente interessado, mas se quiserem podem comprar o livro AQUI.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Estágio IEFP

"Estágio IEFP" - cada vez odeio mais esta expressão. Agora parece aparecer à frente de todos os estágios que me interessam e muitos dos que não me interessam também.
Hoje em dia tudo são estágios, até trabalhos na agricultura e como empregado de mesa e em campos de férias, se esses ainda existem. É uma boa desculpa para apanhar jovens, pagar-lhes pouco ou nada, e despedi-los logo de seguida sem compromisso. Se for estágio IEFP ainda melhor, fazem isso tudo e ainda recebem extra do governo por isso.
A questão é...e para nós que não podemos ou não queremos estar inscritos no Instituto de Emprego? Que sobra para nós? Que sobra para quem quer e precisa realmente de adquirir experiência, de papel ou outra, e ainda não está no mercado de trabalho, e se calhar não poderá estar tão cedo? Onde é que nós ficamos?
Se me perguntam, este programa de estágios veio dificultar, mais do que ajudar os jovens a entrar no mercado de trabalho. mas isto é opinião de quem ainda só está a "molhar os pés"....


Se querem que vos diga, acho músicas como esta cada vez mais atuais...




segunda-feira, 9 de setembro de 2013

UM NOME A SÉRIO?????

Que os srs. da Google batem mal, já não é novidade. E eu já aguentei muitas mudanças do Blogger e do YouTube, e tenho imensa paciência até, mas com o g+ eles estão a ultrapassar os limites!
Hoje em dia já não se pode ter uma conta no Google sem ir parar ao g+, seja pelo Gmail, o YouTube ou o Blogger. E eu até ia escapando...até que quis seguir e comentar o blog da Marta V. E acabou a minha fuga, mas não ligava muito. Lembrem-se que eu nem Facebook tenho.
Até que no fim de semana, deixei de conseguir comentar o blog da Marta. E depois de umas cinco tentativas falhadas lá fui ver o que passava, e o que descubro? Nem uma semana depois  de ser criada, a minha conta tinha sido bloqueada. A razão?

Yap, o meu nome não é um nome. Que não é. Mas quando era pequena ensinaram-me a não usar o nome verdadeiro na net, sobretudo em redes sociais. E ok, toda a gente sabe o meu nome por aqui, mas eu acho que estou no meu direito de não o querer usar, ou não?
O problema é... para manter este nome, imaginem vocês, tinha de enviar um documento que prove a minha identidade!

Não percebo o que os gajos do Google querem com isto...se eles querem chamar as pessoas para o g+, não me parece que pô-las em risco na net ao obrigá-las a colocar todas as informações verdadeiras seja a maneira certa!

sábado, 31 de agosto de 2013

Jovens incendiários...

Eu acabadinha de chegar de férias, ainda preguiçosa, a tentar disfrutar do grande derby, que o meu Sporting já ganha...e o jantar quase me caia mal. 

Vi nas notícias que um jovem, de 20 anos - a minha idade - se não estou em erro, foi hoje preso por causa do incêndio no Caramulo. E eu sei que todos os incêndios são chocantes, e todos os incendiários deviam morrer queimados, mas isto deu-me a volta ao estomago. 
Cuamem-me idealista, mas eu vivia num mundo onde os incendários eram cinquentões bebados. Eu vivia num mundo em que os jovens eram todos militantes do Partido Ecologista. Em que ser Engenheiro Florestal ou Ambiental estava na moda. 
No meu mundo um jovem não mata duas raparigas pouco mais velhas, destroi uma serra, deteriora seriamente a vida de imensas populações. Por causa de uma multa passada pela GNR. Aliás eu nem percebo a lógica distorcida deste rapaz. 
Quem raio destroi a própria vida por causa de uma multa? Quem raio está tão revoltado aos 20 anos de idade que tem de fazer meio mundo pagar?
Confesso que não só me abala, como me assusta.

E agora vou ver o futebol antes que a carga venha efetivamente borda fora com esta insanidade.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Ferias...

Leiam aqui: http://tehteh25.blogspot.com/2013/08/ferias.html

Obrigada pela compreensão e pelo apoio até agora.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

#DontTouchBestSongEver

Mais um dia, mais uma guerra no Twitter para as queridas Directioners. E esta "Best Song Ever" tem sido protagonista de várias. Não podemos censurar, embora não seja esse o sentido, a canção tem um título no minimo pretensioso. Incrivelmente, não é isso que incomoda muita gente, nomeadamente alegadamente os The Who.

Eu  confesso que gosto mais de 1D do que The Who, e não conheço a música em questão "Baba O'Reily", mas sinceramente acho que a banda do sr. Pete Townshend devia relaxar. Porque a cena é:

  1. Os One Direction usam parres de canções antigas em quase todas as suas canções
  2. Os The Who não têm de provar nada a ninguém, a não ser que ainda não morreram (talvez por isso esta chachada toda)
  3. Eles deviam estar gratos por alguém desenterrar músicas deles, porque que eu saiba, já só são banda de nome
Já as Directioners, coitadinhas, têm de relaxar porque:
  1. A música não vai desaparecer, elas já a compraram, ninguém lhas vai tirar
  2. Os The Who até podem nem ganhar em tribunal
  3. Se o video sair do YT, há-de aparecer noutro sitio
  4. Agora os The Who conhecem os 1D
Conclusão desta história? Esta gente tem demasiado tempo para gastar com estas tontices, e se as Directioners ainda têm a desculpa de serem novinhas e não saberem nada da vida, os velhos The Who já têm idade para ter juizo e saber que não são a maior banda britânica desde os Beatles, nem perto disso,

Deixo-vos com as duas músicas.


(Pronto, está bem, o piano é igualzinho...)

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

O sexo entre mulheres...

Este post vai ser estranho. Não é uma queixa ou uma critica. Apenas algo que vai na minha cabeça porque ando a ler um livro com protagonistas homossexuais...

O sexo não me incomoda. Quer dizer, os genitais femininos, não acho nada de especial, e as opções sexuais de cada um não me importam. Já os pénis e falar no assunto é outra coisa, mas para aqui, também não me importa muito.

O que me faz confusão é o sexo entre lésbicas. Como já disse, não tenho nada a ver com as escolhas de cada um, e sou defensora da diferença, o que me preocupa é a parte fisica da coisa.

Porque eu vejo o sexo como uma chave - o pénis - que entra numa fechadura - a vagina. E nos homens, a coisa resolve-se bem...mas duas fechaduras não se abrem sozinhas.

Portanto, o que é que elas fazem? Masturbam-se mutuamente? Usam vibradores? Honestamente é algo que não compreendo, e por favor não levem a mal, não é para ofender...

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Na praia...

Na praia, tem sido onde eu descanso. É um sitio engraçado, as pessoas parecem ficar desinibidas e com menos pudor de ser ouvidas. Debaixo do sol ouve-se de tudo. Coisas que nos fazem rir, coisas interessantes...e depois aquelas que nos fazem ter vontade de dar uma chapada ao vizinho do guarda-sol ao lado.

Nos últimos dias tem sido isso que tenho encontrado, pela forma de "pais sem paciência". Ontem então foi por demais óbvio e irritante. Chega um casal com uma menina, que não devia ter mais de 2 anos, e passado nem cinco minutos já estava a mãe e falar severamente com a menina e a dizer que iam para casa, porque ela estava com sono, e não parava quieta. Não foram, mas isto continuou durante mais coisa de uma hora ou algo do género.

Eu devo clarificar, a miúda pareceu-me perfeitamente normal e bem-comportada, nem birra a ouvi fazer. Se tinha sono ou não, não sei, mas ela apenas estava a brincar, e repito, bastante sossegada. A mãe no entanto, era só birra, de tal modo que até a minha mãe comentou comigo o desagradável que era estar sempre a ouvi-la queixar-se,

A questão é: Para quê ir com crianças para a praia quando só se quer deitar ao Sol a bronzear? E porquê fazer filhos quando obviamente não se tem jeito para crianças? Para ser sincera, eu acho que ela se calhar estava era com o período ou assim, porque estava mesmo rabugenta quanto baste. Mas infelizmente, na praia ou na rua, não é a primeira que vejo tratar os filhos assim. A questão que eu deixo a fechar é apenas se esta gente terá noção que com a sua paranoia estão a transformar perfeitos anjinhos em crianças mal-educadas e provavelmente simplesmente más...e depois aí sim, vão ter saudades dos pequenos anjinhos que destruíram...

domingo, 28 de julho de 2013

Da apresentação do meu Sporting...

O que eu retirei da apresentação do Sporting ontem à noite diante da Real Sociedad?

Bem, o que eu retiro desta pré-época em geral, é que as TVs só não apostam na transmissão da Liga (qualquer que seja o nome dela este ano) ou porque não querem, ou porque outros interesses se levantam.
Estavam perto de 30,000 leões no Estádio, e isso foi reconfortante de saber, só tenho pena de não ter estado lá eu, espero que seja para manter.

Outra coisa que me parece para manter é a equipa que esteve em campo. Alguns deles ainda precisam de travalhar a condição fisica, sobretudo no meio campo, mas todos eles estiveram bem, seguros, organizados, disponiveis para trabalhar em grupo e para um resultado positivo. O Mister sabe o que precisa mais, e eu respeito isso, mas por mim esta equipa está bem, já não se mexe mais, a não ser no absolutamente necessário. Não vejo necessidade de gastarmos mais em estrangeuros de 5ª categoria, que são muito mais caros, e de menos confiança que os nossos, que já conhecemos e nos trazem confiança.

Confesso que o único jogo de pré-época que vi foi o da Taça de Honra, e não tendo visto ainda o trabalho do Mister, tinhas as minhas dúvidas, mas ontem, pelo menos, convenceu. E esses jovens, que só alguns deles jogaram ontem, também.

Dos casos...eu ainda não li notícias hoje, mas espero que Ilori seja para resolver. Tenho pena do Salomão, mal me lembro de o ver jogar pelo Sporting. Percebo a questão do André Santos, embora ontem não me tenha parecido fazer falta. Não acho que o Bruma tenha condições para continuar, mas isto sou eu. O restante que seja para despachar, e depressa.

Não vou estar aqui a sugerir contratações, não estou em posição para isso. Fala-se em Orlando Sá, e confesso que o jogador me agradava, mas pelo que sei a forma fisica deixa a desejar, e pelo que me lembro, de pés, só marcava penalties.

Resumindo, para  mim o  Sporting 2013/2014 arrancou em forma, e tenho todas as intenções, se a minha vida e as TVs deixarem, de acompanhar. Espero é que o equipamento roxo (afinal não é azul, confesso que nunca fui boa a distinguir cores) não seja para usar muito, que esse sim, não me convenceu.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Ánimo Galicia!

Eu era para fazer um post diferente aqui esta semana. Mas mesmo que não tivesse enytretanto a modos que perdido a vontade, tudo parece insignificante diante de uma tragédia destas.
É inexplicável, o quão inconcebíveis as imagens do acidente me parecem. Não quero imaginar o quão inconcebível será perder alguém num acidente tão estúpido.
Mas o mais inconcebível é saber que aquele anormal irresponsável, que só não conduzia mais depressa porque legalmente não podia, se tenha safado para contar a história. E será ultrajante se o deixarem continuar a por pessoas em risco.
Estou com as vitimas e os familiares, e com toda a Galiza, e admiro os belos atos que se têm visto durante o dia, desde as redes sociais ao governo espanhol.
Se fosse religiosa, iria a Santiago, se fosse destas coisas, juntar-me-ia ao luto nacional dos espanhóis.

Como não sou, junto-me ao movimento no Twitter, e digo #ÁnimoGalicia!

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Mas foi Moção de quê, afinal?

Eu sei, eu sei, este blog não é muito ativo. Este blog vive de emoções fortes, e nem sempre a sua autora  as sente.

Estava à espera de ver se a Crise Politica -  vamos em quê, 18 dias? - dava nalguma coisa, mas acho assim um  pouco como esperar para ver quem ganha o Big Brother ou quando nasce o Bebé Real. Ou melhor ainda, imaginem comigo, uma crise de reféns, tipo a do filme Argo, em que em vez de 10 diplomatas é um País inteiro à espera que Raptores Governo e Polícia PS negociem a sua libertação.

Para ser sincera, acho que a única coisa que esta novela vai dar é uma Crise ainda maior, possivelmente uma Crise Interna no PS, que leva à Queda de 2 governos consecutivos. E foi por causa do meu descrédito em toda a situação que fiquei apenas a observar até agora.

O que me fez vir aqui hoje, foi, pois então, a Moção dos Verdes. Bem, ela era para ser de Censura, e até era bem intencionada. O problema é que o nosso parlamento é como o bendito do Conselho de Segurança da ONU, com o PSD como China e o CDS como Rússia, permanentemente a conspirar para vetar qualquer proposta.

E é isto que me deixa com o  Tico e o Teco a fazer luta greco-romana no meu crânio. Nós temos uma Constituição que nos deixa de mãos e pés atados. Porquê? Porque é quase impossível passar o que quer que seja contra uma maioria absoluta, por muito frágil que seja. E esse é o primeiro erro. Se ela é indispensável à estabilidade governativa, também é a maior obstrução que se pode fazer à democracia, por muito hipócrita que seja em qualquer das suas incarnações.

Juntem a isto um Presidente que é quase indemissível, e vos posso garantir, qualquer ato é uma Moção de Confiança.

Mas vivemos num País Democrático, é o que dizem...

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Mini TwitterGangs

Hoje de manhã estava a morrer de calor na praia, debaixo do guarda-sol à espera de vir embora, e decidi consultar o Twitter, onde me deparei com o seguinte trending topic: #RIPMaxGeorge.
Ora para quem não sabe, Max George é um dos membros da boysband britânica The Wanted. Após ter verificado os tweets correspondentes à hashtag, descobri que os mesmo provinham de fãs da banda rival, One Direction, vulgo Directioners.

É preciso notar que não é a primeira vez  que algo deste género acontecer no Twitter com fãs de Rihanna a ameaçar os de Lady Gaga e os de Justin Bieber ao filho de Adele.

E isto preocupa-me. Não são homens feitos ou rapazes rebeldes que andam a fazer isto. Não, este verdadeiros gangues são constituidos por miúdas certinhas na pré-adolescência. E eu pergunto-me quem as ensina a ser assim, quem não lhes diz que vidas e emoções não são um jogo e que estas piadas não têm graça nenhuma. É que eu não acho que sejam os próprios artistas, eles mesmos relativamente certinhos a incentivar isto.

Estas lutas também existiam na minha geração, não se enganem, eu sou do tempo do épico BSB vs. N*SYNC, mas nós eramos diferentes, ou se calhar sou só eu que acho, mas eu nunca me lembro de ter ouvido ameaças de morte naquele tempo, e as miúdas eram mais velhas, e muitas vezes bem menos certinhas.

Eu sei que pareço uma avozinha, e talvez seja de ter tido uma adolescência protegida, mas a maneira como a juventude de hoje cresce assusta-me, por estas e muitas outras razões.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

1001! -

Hoje foi dia de praia, de alegria, de chegar às 1000 visitas deste blog, algo que não pensei que acontecesse tão depressa. Esta foi a banda sonora perfeita, tirada da minha infância. Ainda alguém se lembra?

"There ain't no party like an S CLUB party!"

Obrigada por ajudarem este meu pequeno devaneio crescer!

terça-feira, 2 de julho de 2013

Wish I'd never grown up...

Eu sei que sou repetitiva, e que já falei disto, e que provavelmente não se esperam posts pessoais e intimistas por estas bandas, mas uma pessoa tem de desabafar, e hoje eu tenho mesmo que falar disto com alguém, nalgum sitio.

Hoje estou com medo de crescer. Eu sei, já sou um pouco velha para isso. Mas entendam que eu sempre tive uma vida resguardada. Para mim entrar na faculdade foi adquirir a liberdade que outros jovens adquirem na adolescência.

E agora, acabei a licenciatura e tenho medo, Tenho medo de entrar no Mundo do trabalho, de alterar as minhas rotinas, de ter ainda mais stress quando mal aguento o que já tenho. Tenho medo de nunca ser capaz de me adaptar, de falhar nesta nova fase.

Mas hoje inscrevi-me em 2 sites de procura de emprego, e candidatei-me a dois estágios. Escrevi pela primeira vez uma carta de apresentação (felizmente já tinha feito o meu currículo). E depois descobri que o meu email ainda está com o meu nickname em vez do meu nome e o nó na barriga que senti quando carreguei em "Send" aumentou.

Mudei o nome, mas o mal estava já feito. Se antes estava com uma mistura de medo e entusiasmo pela oportunidade sequer de ser chamada a uma entrevista, agora estou com medo que o meu email seja ignorado pelo seu nome pouco profissional.

Numa só frase, tenho medo de ter de crescer, mas também tenho medo de não o saber fazer.

Dos novos equipamentos do Sporting...

Pois não sei se hei-de achar que chegamos ao fim do mundo ou agradecer aos Céus que ao menos é azul e não cor de rosa (como os horriveis caches que se vendem na Loja Verde...)
O equipamento principal, ou vá, a camisola, é linda que só ela, muito vintage, muito tipicamente Sporting, daquelas que eu adoraria ter, mesmo não estando no alto do meu interesse por futebol.
Agora uma camisola azul...acho que esta era a única camisola do Sporting que a minha madrinha super portista alguma vez me compraria sem protestar. E é bonita, adoro o pormenor do menta, mas numa altura em que cortamos relações com o Porto, fica um pouco estranho, não?

Pelo menos disfarça a publicidade do Moche...sempre fica melhor que o quadrado preto na principal. E se ganharmos alguma coisa com ela, aposto que no fim ninguém se vai queixar.

Agora eu pergunto...nós renovamos o contrato com a Puma? É que desde que me lembro que "é só mais um ano"...

PS: Pronto, OK, afinal é roxo. Continua a parecer-me mal, no entanto.

domingo, 23 de junho de 2013

Just being Miley...or is she?

É domingo, véspera de São João, o mundo parou porque um dos One Direction seguiu alguém no Twitter e eu quero falar do novo da Miley Cyrus. Sim, chegamos ao fim mundo.

Depois de serem presenteados com "We Can't Stop", acho que houve gente para quem o mundo simplesmente acabou. Verdade seja dita, eu acho que já vi bocados deste video um pouco por todo o lado.

Este video, tal como a música que acompanha, é uma experiência estranha.  Não é que seja propriamente bom, ou propriamente mau, mas tem algo de génio, que nos deixa com a cabeça a andar á roda, sem se saber se o sentido é bom ou mau.

Enquanto que os cenários são estranhos e provavelmente nada daquilo que os pais americanos querem saber que as suas filhas vêem, visualmente o video é...extremamente bonito. Eu pessoalmente acho que, posições inapropriadas e exageros à parte, Miley está linda e elegante em pelo menos partes deste video.

Quanto ao resto, eu diria que não é nada que não se tenha visto ainda num video de Rihanna ou Lady Gaga, ou  ainda da puritana Taylor Swift, ou já se esqueceram disto?

E no fundo, she's just being Miley, gente! Resta saber quem é Miley agora...

terça-feira, 11 de junho de 2013

Thank God I'm past that!

Eu náo queria estar no 12º ano agora. A juntar à incerteza do futuro. O stress do estudo. O site da DGES sempre empanturrado. As notas que não saem. As listas que não saem...e agora a greve dos professores.

Eu normalmente sou a favor das greves dos profs. Quer dizer, eu sou contra 99% das greves, mas professores felizes é igual a menos stress para nós, por isso, eles que fiquem com os bonus todos e isso.

Até que eles fazem isto.

Eu não sei se eles têm noção que os funcionários de todas as ijnstituições que eles supostamente afetam até lhes agradecem, quer dizer, têm menos trabalho e tudo. E o Ministério? Provavelmente é menos que paga. A DGES não deve ficar tão feliz, porque quer dizer, não têm de tratar das candidaturas, mas devem ter reclamações.

Agora, dizem eles que não afeta os alunos? NÃO AFETA OS ALUNOS COMO? Não há notas, não há exames. Não há exames, não há candidatura à Universidade. E a vida já está má que chegue sem o stress acumulado, eles, melhor que ninguém deviam saber.

E por isso, eu engulo as minhas palavras do outro dia, e agradeço a Deus porque ao menos tive aquele exame ilegal e estupidamente cedo, mas vou ter um 15 na minha certidão de notas quando me candidatar ao Mestrado em Julho, e não ficar a ver navios...

Mas se calhar estou a falar cedo...afinal há Greve Geral no dia do meu último exame...

segunda-feira, 27 de maio de 2013

O Cionismo

Não, não me enganei, e já vão perceber. Eu peço desculpa por falar de algo que não é  completamente corrente, mas foi a aula que tive hoje, e na parte em que não estava a dormir (não liguem, coisas do meu metabolismo), fiquei a pensar.

A questão israelo-palestiniana é uma idiotice, já para não falar que é uma hipocrisia pegada. Eu sempre tive esta ideia, mas agora confirma-se.

Como é que é possivel que se use o Holocausto para justificar atitudes em tudo semelhantes? Primeiro que tudo, lamento dizer aos srs. ingleses e americanos, que a maioria dos israelitas não são, de facto, provenientes da Alemanha, e mais provavelmente são sim exilados ou refugiados russos. E depois, os Palestinianos já lá estavam, e não fizeram mal algum aos judeus. Logo, que mal fizeram a Deus para merecer isto?

E depois quer dizer, se eles ainda tivessem ficado onde os mandaram ficar...mas não, estão a tentar dominar toda a "Terra Prometida". Ainda alguém se lembra da teoria do "Espaço Vital" que supostamente justificava as ambições Nazis...é que do meu poleiro, não vejo grandes diferenças em ocupar porque é da nossa raça e precisamos de espaço, e tal e coiso, e ocupar porque esta terra já foi nossa no tempo em que as pessoas ressuscitavam. Aliás, ao menos o Hitler estava em casa dele...

Mas pronto, a culpa é de quem lhes mete as ideias na cabeça, e de quem lhes passa a mão pelo pêlo, por isso, quero ver como é que os anglo-saxões vão descalçar esta bota...se algum dia conseguirem.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

"Ca Ganda Palhaço!"

Oi, que lá se vai a liberdade de expressão neste país. Já nem o direito a dizer a verdade temos. Ou vá, já não têm as figuras conhecidas, se o fizerem na TV (ou no Jornal de Negócios...até aposto que as vendas dispararam só com pessoas a querer emoldurar)
A gente perceber, que o inútil (é melhor não dizer isto) excelentíssimo Presidente da República é uma pessoa importante, que não convêm ofender e tal e coiso. Mas daí até chamar os bois pelos nomes dar em possivelmente 3 anos de prisão ainda vai um bocado ou não? E que tal se Cavaco Silva, não sei, fizesse alguma coisa pelo país, de modo a evitar indelicadezas destas, não?
Eu não sou fã do sr. Comentador de Tudo e Mais Qualquer Coisa Tavares, mas temos de lhe dar o amendoim. Afinal, o homem só fez chegar a Belém a mensagem que todos gritamos, mas o Todo Poderoso insiste em não ouvir...
Mas bem, não deve ter sido só o Cavaquistão que o reelegeu, por isso, talvez seja melhor pensar 2 vezes...

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Isto é só terroristas...

Já nem se pode esfaquear um homem e dizer que Deus é grande. Tudo é securitizado neste World Trade Center que é o Mundo, em que Bin-Laden tudo vê, que nem Big Brother. 


Cada vez mais me pergunto: quantas vezes terei eu de repetir? Grupos como a Al Qaeda matam milhares de pessoas, não metem uma bomba artesanal para cortar as pernas a meia-duzia de pessoas (embora esse até possa ser um ataque terrorista), nem vão para as ruas de Londres esfaquear estranhos que nem hooligans, muito menos vão depois para a TV procurar 2 minutos de fama, que nem concorrentes da Casa do Degredo. 

A securitizar tudo (desculpem, é o que eu estou a dar em Politica Internacional - a Teoria da Securitização, em relação ao discurso do Sr. Bush sobre o 11 de Setembro, o Iraque e o Afeganistão) desta forma, quais bolcheviques a nacionalizar fábricas, estes senhores tornam-se eles mais terroristas que a já referida Al Qaeda, tendo em conta que os últimos andam (não estando eu mais fora ainda do que penso) tão quietinhos, que o único terror à vista são as notícias provocadas pela polícia ultrazelosa dos anglo-saxões.

Bem, faziam esses srs. em prestar atenção aos aterrorizadores de bolsas e mentes por esse Mundo fora e que infelizmente, em último caso são os seus chefes (de Estado).

domingo, 19 de maio de 2013

Nordicovisão

Vendo bem não deveria estar de todo surpreendida. Quer dizer, o Eric Saade disse - "da última vez que a Eurovisão foi na Suécia, ganhou a Dinamarca". Mas eu ainda acredito no mais conhecido barbudo do Norte, o Pai Natal.
Com o passar das horas, o efeito vai-se esfumando, mas a verdade é que desde a noite passada que estou numa fúria, daquelas que já não sentia desde os Lordi. (Coincidentemente Finlandeses).
Mas como estava a dizer, eu devia ter previsto isto: todos os países nórdicos, e a maioria dos Bálticos, chegaram á final, incluindo a mais chata canção dos últimos anos, brought to you by The Netherlands. E a vencedora era efetivamente a canção mais falada como favorita (mas depois a Irlanda também era favorita e ficou em último...)

Eu só sei que a Moldávia tinha um vestido que se expandia e funcionava como um projetor. E o Azerbaijão tinha um homem dentro de uma caixa. E a Alemanha levou uma música enorme, com uma cantora fantástica. E mesmo assim ganhou a miúda sem sal a fazer olhinhos ao homem do pifarinho...E toda a imprensa já dizia que iria acontecer há meses, apesar de tudo o resto.

A verdade é que tudo isto me faz pensar em teorias da conspiração, e questionar algumas das teorias em que costumava acreditar, até porque, ao contrário do que se possa pensar, a Eurovisão tem passado mais pelo Norte que pelo Leste nos últimos 20 anos...

Deixo-vos com a miúda da floresta e o gajo do pifarinho...


sábado, 11 de maio de 2013

50 Shades of Speculation

Eu sei que me propus a falar de coisas sérias aqui, mas toda esta confusão com o casting do maldito filme 50 Shades of Grey está a dar seriamente cabo de mim.
Primeiro que tudo acho ridículo tanta obsessão por um filme que vai obviamente ser medíocre. Depois acho incrivel que andem a mandar palpites de elenco para um filme que, segundo o IMDB ainda só tem guião, e que nem se sabe exatamente quando vai começar a gravar, quanto mais sair. E cujo casting ao que parece, ou está envolto num enorme segredo, ou na verdade nem está a ser feito (até porque convém ter realizador primeiro, não?)
Depois os nomes em si. Está semana, surgiu o Alex Pettyfer para Christian Grey (que ao que parece é demasiado novo para fazer um gajo de 26 anos...ha, pena, depois de Magic Mike, depreendo que não haja grandes barreiras para ele, e bem...eu acho que  ele funcionava, apesar de achar o papel mau para qualquer ator), Jennifer Lawrence (aparentemente +e demasiado alta...e nisso eu concordo, nenhum homem que não se chame Liam Hemsworth parece grande ao pé dela) e agora Joe Wright para realizador (a sério? O mesmo homem por detrás de Anna Karenina?).

Eu pessoalmente acho isto tudo uma palhaçada, até porque algumas dessas sugestões são simplesmente irreais...como podia Ian Somerhalder fazer este filme E Vampire Diaries ao mesmo tempo? Não podia. E Jennifer Lawrence ainda tem 2 filmes de Hunger Games para rodar. E o papel está abaixo da Emma Watson, honestamente.

A verdade é que eu acho que eles deviam mesmo era tentar convencer as pessoas para quem estes papeis foram escritos originalmente, ou seja a Kristen Stewart e o Robert Pattinson (se ainda se conseguirem ver, nem sei se estão juntos ou separados de momento). Afinal, Christian e Ana foram inspirados em Bella e Edward.  Ou então irem buscar alguém praticamente desconhecido, que é o costume nestas coisas.

E é o mais provável de acontecer, com ou sem especulação.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

O exame ilegal

Lembram-se de vos ter dito que não andava inspirada, ou suficientemente indignada para escrever aqui? Acabou de me passar a fase zen.

Hoje eu descobri que tenho o meu primeiro exame no dia 6 de Junho. Ora, as minhas aulas acabam no dia 5, às 19h30, exatamente da mesma disciplina do dito exame. Ora a lei diz que não se pode ter exames menos de 24h depois do fim das aulas. As aulas em período diurno acabam às 19h30. Acho que a conclusão é óbvia, não?

Pois, parece que não. A Logística diz que não há tempo, que a época de exames está curta e coisa e tal. A querida da professora, a mesma que nos instiga para nos manifestarmos contra o estado do país, porque não lhe pagam para faltar quando está doente diz que não pode fazer nada e que devemos pedir aos professores para não darem matéria nessa semana (fazendo hipocritamente com que a situação se torne legal, sem na verdade nos ajudar a nós, que ficamos presos nas aulas sem poder estudar na mesma).

A verdade é esta, somos 3 cursos nesta situação, que eu saiba, e com um feríado pelo meio e um periodo de contestação apertado, majs uma ilegalidade vai vigorar neste país.

Parabéns.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Livro: School Spirits

Boa tarde. Eu sei, criei este blog cheia de energia e depois...bem, a verdade é que não tenho tido tempo ou energia para ter opiniões. Mas hoje decidi voltar a falar de um livro aqui, porque é um livro que não adorei, e tenho de falar nele nalgum lado, e assim fica já feito e não ocupa espaço noutro post.

Eu sei que não é o que eu costumo fazer aqui, mas espero que gostem.

"School Spirits" é uma espécie de mistura entre um livro de fantasia e um tipico livro de adolescentes. Conta a história da Izzy, uma miúda de 16 anos que faz parte de uma longa linhagem de caçadoras de monstros. Depois do desaparecimento da sua irmã um pouco mais velha, ela muda-se com a mãe para uma pequena vila no Mississipi, sob o pretexto de caçar um fantasma numa escola secundária local. E é aí que a diversão começa.
A Izzy tem um breve caso com um desportista (Ok, mais ou menos desportista) e junta-se ao clube de aspirantes a caçadores de monstros da escola. E enquanto tudo isto parece inofensivo, a Izzy vai-se envolvendo mais e mais na vida da escola, ao mesmo tempo que o trabalho se complica. Ah claro, e ela envolve-se emocionalmente com o grupo, especialmente um dos rapazes.
O problema com este livro foi que eu não senti uma ligação com ele.Não sei se foi  de mim,  ou do livro, ou da história, ou até dos personagens. Eu até costumo gostar deste estilo, mas este livro? Eu até achei que fosse uma paródia no início, de tão inconsequente me pareceu. No entanto, há coisas que eu gosto: A Izzy tem um amigo invulgar a viver com ela, e ele é muito engraçado, e também é engraçado vê-la em dificuldades com os próprios sentimentos. Mas de resto, não se pode dizer que aconteça muito de especial até digamos ás últimas 50 páginas.
E aí as coisas aquecem e ficam bastante mais satisfatórias,se me perguntam. Tanto que, apesar de não ter ficado fã, a conclusão deixa uma ou duas questões no ar que me fazem querer continuar a ler...talvez.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Isto tá mal, muito mal...

Eu até estava a ter um bom dia, a conseguir cumprir os objetivos e tal e coiso, mas há certas coisas que não posso deixar passar...


Como os milagres de multiplicação do governo português. Sai Relvas, entram 2 Ministros para o lugar dele, com um verdadeiro de Secretários de Estado, entre eles um antigo opositor do dito governo. Grande moral, sim senhora. Ao menos este sabe mesmo de Relações Internacionais, mesmo mal. Se bem que os Negócios Estrangeiros já têm dono, por isso...

E por falar em moral...ainda alguém vê a série Glee? Aquilo vai de mal a pior...Esta semana o episódio tratava de últimas oportunidades. E para ilustrar, faz-se um episódio sobre um suposto tiroteio, fecha-se metade dos atores numa sala a chorar, e no fim revela-se que os 2 solitários tiros foram disparados por uma doce menina deficiente que estava com medo do seu futuro pós-secundário.

Eu não tenho nada contra episódios de TV sobre situações polémicas. O da Anatomia de Grey há uns anos foi dos melhores que alguma vez se fez. Agora, se fizerem, façam bem, por favor, não gozem com coisas sérias!


sábado, 30 de março de 2013

Deficiente, atrasado, tecla 3...

Se há coisa que me irrita é que me chamem deficiente ou atrasada mental. Não é por mim. Eu canto e danço no autocarro, e exprimo opiniões mal fundadas e digo coisas inapropriadas. Mas eu faço-o conscientemente. Escolho fazê-lo. E depois vivo com a vergonha se a tiver de ter.


Tal como o querido cãozinho que não foi ensinado, ou ainda menos, o verdadeiro doente mental, vocês sabem, aquele que realmente tem um atraso de desenvolvimento ou algo desse género, não está consciente do que faz, não sabe que está a ser ridiculo, e sobretudo não escolheu ser assim. 

E por isso, e porque tenho o infurtúnio de conhecer bem a realidade, irrita-me profundamente que usem uma doença de que ninguém tem culpa como insulto.

Por isso, cresçam e apareçam, e por favor parem de insultar pessoas que não são para aqui chamadas, ao compararem-se com elas, sim?

E agora vou acabar o meu trabalho, que já dei demasiado tempo de antena a este assunto.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Voltei a encontrar a minha musa. A ver as notícias claro, porque as notícias andam fantásticas, desde o Socas, ao Sporting até àquilo de que vos falo hoje, os inqualificáveis e bizarros assaltos ao tesouro que esta semana se revelam.

Eu não sei se já falei por cá do Sr. Espião (ah, sinto-me num filme do 007 só de escrever isto), mas penso que a polémica anterior dele não é do tempo aqui do cantinho. Para quem não sabe, deppis de ter saído das Secretas, ter trabalhado para o setor privado e pelo caminho se ter tornado arguido num processo criminal, o Sr. Espião vai ser agora integrado na Segurança do Conselho de Ministros, porque alguém desencantou uma lei que diz que devido à sua primeira ocupação. que fez com todo o mérito, diga-se de passagem (daí o processo criminal), assim tem de ser.

Mas o melhor? Com salários retroativos desde 2010, quando estava a trabalhar não para o Estado, mas para a Ongoing. E agora eu pergunto...mas porquê? Porque ele poderia ter estado a trabalhar? É que por essa lógica, à volta de 1 milhão de desempregados deveriam forçosamente ser reintegrados nas suas funções, e com os ditos salários retroativos, porque também podiam estar a trabalhar.

E isto já pra não falar dos Srs. Doutores, que ao que parece andam a receber o Jackpot por fazerem o dobro das cirurgias no seu horário de trabalho...Ora, primeiro que tudo, se eles as estão a fazer, e bem, só provam que conseguem, e não é mais que a sua obrigação, e como o país está no estado de coisas em que está, a produtividade extra dava jeito, tirando que quando ganham mais não aumentam efetivamente a dita cuja...É que se eles ganhassem à cirurgia eu até entendia, mas eles não estão a trabalhar mais tempo, estão é a fazer melhor uso do horário de trabalgo, que é o que lhes compete...

O que eu acho mesmo é que temos de repensar a nossa estratégia e seguir estes fantástcos exemplos...em quem merece, claro está.

E agora desculpem, penso que o Socas fala hoje. Com licença.


terça-feira, 26 de março de 2013

O Poder de Sugestão...

é lixado, e eu sou super sensivel no  que toca a ele. No kidding.

Eu juro que tenho azar nas sextas-feiras-13.

Eu sei que um dia vai correr mal quando a primeira hora corre mal.

Eu sou contagiada por tudo e mais qualquer coisa.

E pior que tudo? Sinto-me mais doente só porque sei que estou ou devia estar, ou porque estou aborrecida, ou cansada, ou nervosa, e não quero enfrentar algo.

E por isso ando bloqueada em quase todos os sentidos, e agora estou cheia de medo de ficar mais doente do que estou, porque estas estão a ser semanas dificeis, e também emocionantes e entusiasmantes, e isso deixa-me paranóica e assustada.

E por isso tenho de usar o triplo da energia, e mesmo quando não avanço quase nada, fico cansada na mesma...

Mas será mesmo?

(Eu prometo que hei-de reencontrar a minha veia mais racional e critica, até porque cheira-me que vou ter algo pessoal sobre que barafustar em breve...aguentem lá só mais um bocadinho, sim?)

sexta-feira, 22 de março de 2013

De novo as coisas académicas...

Pois é minha gente, não tenho andado por aqui. Digamos que neste momento me apetece mais discutir as minhas opiniões apenas com o Tico e o Teco. Tenho de ver se ganho novamente aquela fúria opinativa pra voltar a animar isto.

Hoje fui tratar das malditas coisas académicas. Chegamos a um acordo. Temos pasta, manto, cartola, bengala...e os enfeites todos que agora não me apetece enumerar. E para a benção vou com um belo vestidinho por baixo do manto, em vez do traje de que não gosto e não voltaria a usar (agora só tenho de encontrar um belo vestido azul petróleo...vai ser lindo!).

Agora, eu devo dizer, as lojas de artigos académicos são um perigo...é que nunca se traz só o que se tem planeado...eu ia comprar um emblema, trouxe 7. Depois vi o grilo...e depois isto.

Eu não sei porque carga de água, mas a loja académica daqui tem o traje de Braga...e o que eu amo o traje de Braga! Eu vou amar a minha cartola, não me entendam mal (apesar de que tive de a mandar fazer, que mais uma vez me confirmaram que tenho uma cabeça grande...) mas o Tricórnio? Eu morria para ter um Tricórnio...

Pena já ser tarde para ir fazer o curso a Braga, LOL. Agora  resta acabar o curso, preparar o manto, as fitas e o look de finalista, e esperar pela Queima, que daqui a Maio são 2 dias!

terça-feira, 12 de março de 2013

O circo do Vaticano...

Isto  do Conclave está a ficar ridículo. Alguém me explica como é possivel que o (óbvio) fumo negro ao fim da primeira votaçáo abra o Telejornal? Como é que é que não há nada mais interessante a acontecer neste triste país? Será que ninguém reparou ainda que o Papa hoje em dia já não manda efetivamente em nós, não decidi o futuro dos Estados, e de certo modo, já nem a própria Igreja controla?
A única grande razão que eu  vejo para todo o circo mediático é o segredo em que tudo é feito, bem à moda da Igreja, pata não se ver os negócios obscuros que lá vão... (afinal o último Papa, super conservador era Nazi...quantos pecados não terá ele cometido!) Nada de comunicações, para não impedir a comunicaçao com Deus, não vá a escolha do Papa em vez de por correio divino vir via passarinho azul. (Porque as influências interriores já são tais que as exteriores só atrapalham...ainda estou para perceber como é que eles cortam a rede de telemóveis só ali...)

Mas o que mais me perturba, curiosamente é o maldito do fumo negro. Que coisa arcaica e sem sentido, já pra não falar que não pode ser bom nem para o ambiente, nem para as pessoas lá reunidas, que se deite uma camada de fumo carregadinha de quimicos, quatro vezes por dia durante uma semana. Ou terei sido só eu a pensar nisso?

Eu só quero o Habemus Papa, e que seja um grande maluco, a ver se voltamos a falar de Coelhos, Portas, ou até mesmo de Jesus, que neste momento está bastante em voga...

E tenho dito.

quarta-feira, 6 de março de 2013

Pânico Académico

Eu juro minha gente: isto está a torna-se um problema.
Como por esta altura já devem saber, eu sou este ano finalista de licenciatura. Até aí tudo bem. O problema é que a minha última Semana da Queima começa a provocar-me pesadelos. De todo o lado é gente a querer saber quando é, que eu compre o traje...enfim. E eu não quero saber. Pura e simplesmente não me inteteressa. E quanto mais insistem mais sufocada me sinto.

É preciso entender isto: Eu nunca praxei. Estive na praxe à volta de 10 mins. Nunca estive no Queimodromo. Eu odeio o Traje e tudo aquilo que ele significa. Eu não fui para a Universidade pelas tradições, nem sequer me dou especialmente bem com a Praxe do meu curso. A Serenata, a Benção não fazem qualquer sentido pra mim (eu não ponho os pés na Missa há quase 10 anos, e sinto-me desconfortável em Igrejas em geral)

Honestamente, eu só quero acabar o meu curso e seguir em frente. Daí que peço imensa desculpa se perder o meu tempo a pensar em fitas, e em fazer alguém gastar 100€ num fatinho feio todos os dias só para as fotografias me deixa um bocadinho sufocada, e se não tenho qualquer entusiasmo quando me falam do assunto com 2 meses de antecedència.

(Sim, eu tenho noção que este post é mais emocional que opinativo, mas uma pessoa tem de desabafar)

sábado, 2 de março de 2013

A Glândola da minha semana de experiências

Antes de mais, não se ofendam, que o título é uma inside joke e tem um caráter carinhoso...

(A imagem por demais arrepiante é do Público, que a liberdade de expressão é boa e quer-se, mas os direitos de autor também)

Pois é, meninos e meninas, a vossa amiga extremamente timida, agorafóbica e glossofóbica esteve não só num casting, como no meio de uma manifestação, no espaço de três dias. E não morreu.

Foi para os dois casos a pensar que não se ia meter, que ia só ver, chegou a pensar em sair, mas ficou. E soube bem.

E da primeira coisa falarei depois com calma, agora quero falar da Glândola (a minha língua tende a enrolar-se quando tento dizer Grândola) entoada por - dizem que -  um milhão de pessoas nos Aliados há duas horas atrás, e do quão arrepiante foi estar lá meio.

A verdade é que eu sou das pessoas que acham que neste país manifestar-se é perder tempo. e muitas das vezes ser hipócrita. É verdade que achei o desfile em cima pobre e quase a dar ares de desfile fúnebre. É verdade que me ri de muitos dos intervenientes com os seus discursos incoerentes e exacerbados  E é verdade que achei que a cantoria que vi quase todos os dias na TV estava a perder o sentido com cada nova tentativa.

Mas não posso negar o poder inesquecível de uma avenida inteira a cantar, mesmo que por vezes fosse mais em eco que uníssono.

Pena que a parte cética de mim saiba, que o que eu senti, não vai sentir na consciência a quem a carapuça devia servir...

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

O pequeno homenzinho dourado...

Desculpem desde já se este não for o mais eloquente dos discursos, não estava nos meus planos chegar a esta hora já supremamente cansada. E nem sequer fiquei a noite acordada a ver os Óscares, nunca foi o meu estilo.

E verdade seja dita, continua a não ser, daí não poder explicar o meu cansaço com uma noite longa. Mas este ano estive um pouco mais entusiasmada, porque como dizia uma cinéfila que eu conheço "foi bom ver mais comédias e filmes independentes". E eu subscrevo.

Temos de admitir que os nomeados deste ano, na sua vasta maioria, eram pouco prováveis. E eu fiquei feliz com o resultado da noite, uma ou outra excepção à parte.

Eu vi aguns dos filmes nomeados e vencedores em várias categorias: Seis Sessões, Anna Karenina, Guia Par aUm Final Feliz e o agora incontornável Argo. Não vi nem Lincoln, nem Les Miz, nem Django, nem Pi. Mas percebo os prémios de alguns, outros nem tanto - já ouvi dizer que Lincoln é bom para fazer uma sesta, mas mesmo assim...

Dou os meus sinceros parabéns à Jennifer Lawrence, é sempre um prémio merecido. Mas acho que, e não querendo desfazer do outro senhor, o Robert DeNiro era quem mais merecia um homenzinho dourado naquele filme.

Dou os meus parabéns ao Ang Lee, que muito admiro, e á Adele, apesar de achar que provavelmente haveria música melhor.

Mas sobretudo dou os meus parabéns ao Ben Affleck, que bem merece o reconhecimento de novo, após todos estes anos,  e ao Clooney e ao outro senhor que agora não sei o nome.

ARGO F**K YOURSELF! =D

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Bullying futebolístico

Sabem, às vezes não consigo evitar falar de futebol. Porque mesmo quando não lhe nenhuma, há sempre algo que me irrita. E não, não estou a falar das eleições do meu Sporting.

Estou a falar da relação dos treinadores de bancada do FC Porto com o Varela. Eu juro que não percebo a embirração, muito honestamente. O rapaz tem-se esforçado tanto, e nunca é reconhecido.

Foi dispensado do Sporting pelo sr. RiscoMeio, que depois há dois anos, se a memória não me falha, deveria estar felicissimo de o ver naquele campeonato que já nem sei de que era, para o caso não interessa, quando fazia algo que Ronaldo não conseguia: marcar golos se não me engano aos gigantes dinamarqueses.

E diga-se, aposto que para os ditos treinadores de bancada ele na altura era o maior.

O problema é que os adeptos do FCP são, entre muitas coisas, mimados e mal-habituados. E não é de ele ter sido jogador do Sporting, porque até o Izmailov já é o maior, é mesmo problema do coitado do rapaz, que nunca há-de ser tão fantástico como o James, o Atsu (santinho!) ou mesmo o já referido russo.

Até o ser.

No futebol passa-se de besta a bestial todos os dias. Mas o Varela, talvez por ser assim escurinho, normalmente é a besta.

Por isso dou os parabéns ao Villas Boas e ao Pereira por não ouvirem os barulhos de fundo, e esperarem pacientemente que o Varela esteja no dia bestial.

Até porque se eles continuam assim, por mim era: Volta pro Sporting, que estás perdoado e o sr. RiscoMeio já cá não está pra falar!

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Da história do IVA e das faturas...

Ahhhh...eu adorava que os srs. do CDS parassem de pensar (não sei se a culpa é deles, mas tresanda ao estilo deles...)...é que só saem ideias estúpidas e pidescas...

Que me digam que as faturas vão passar a ser obrigatórias, eu percebo. Que nos aconselhem a pedir sempre, OK. Até porque só faz sentido aumentar o IVA se ele realmente entrar nos cofres.

Agora, que me digam que vão pôr um candeeiro à porta do café pra me multar se não pedir uma fatura de 45cents todos os dias de manhã...aí já me passo.

Pra já, porque não me apetece deixar o meu NIF por todo o lado tipo impressão digital, só porque decidi comprar uma caneta BIC ou um postal de uma qualquer cidade que visite por um dia.

E depois porque nem sempre terei o papelinho, e a culpa não é minha. Como já vos deve ter acontecido, na minha faculdade a comida é de pré-pagamento, e depois quando a vamos buscar ficam-nos com o ticket...vou levar uma multa por uma prática que me é alheia?

É que eu nem sequer estou a falar de uma visita a um bordel "quando for legal", estou a falar do meu almoço, que ainda é das melhores partes de um longo dia de aulas...

E se querem que vos diga, até me admira ainda não ter vindo nenhum ambientalista queixar-se do desperdício de papel que tanta fatura vai provocar...será que só eu que nem sou dessas coisas é que pensei nas coitadas das arvores?


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Um texto muito pertinente

Há bocado li um texto no livro que podem ver acima, e em tudo me identifiquei com ele, por isso decidi partilhar. Podem encontrar o original no livro (que muito vos aconselho) ou AQUI.


"Mania esta de termos que ser explorados no início da carreira, como se tivéssemos que ser sujeitos a uma qualquer humilhação. Mania esta das empresas se habituarem aos estágios não remunerados e findo os 3 meses "que era muito bom e tal, mas que infelizmente por razões logicamente financeiras não será possível integrá-lo!". Não interessa se era bom, se fazia falta, se tinha talento, se teve uma atitude diferenciadora em relação a todos os outros, o que interessa – isso sim – são os 3 meses. E os 3 meses acabaram e ali vêm outros. Mais 3. Mais 3 meses. É o preço da experiência. As empresas querem pessoas com experiência mas novas, para não pagarem muito e por perceberem que estas ainda não têm bem a certeza de quanto é que valem. As pessoas com experiência e com uma certa idade que já dói a deitar, sabem exactamente o seu preço. E o problema é esse. As empresas não gostam de pessoas que sabem o que valem e ao mínimo pedido de aumento "Temos aqui sindicalista!". E daí tudo fazerem para não termos grandes ideias, nem termos muitas vezes razão, porque obviamente as melhores ideias valem dinheiro e isso pode levar à tal conversa a pedir aquela tal coisa que ainda há pouco falávamos. O aumento, lembram-se? Uma palavra maldita como aquelas que não se podiam dizer nos regimes ditatoriais e que é preciso falar baixinho e olhar duas vezes para um lado e para o outro, como se fossemos atravessar uma estrada junto a uma curva de pouco visibilidade. Fala-se em aumento e os patrões pedem logo um copo de água e os medicamentos para a tensão arterial. Tem-se uma ideia que sabemos ser vencedora, e logo o patrão, vendo que é tão boa, trata de nos tolher a alma como o frio nos dias de Inverno em que temos de ir trabalhar. Não interessa se é boa, o que importa mesmo é que o funcionário não cresça para não lhe pedir aquilo que sabemos. E depois, se houve uma ideia boa, ele sim é que a teve" mesmo que estas sejam um tudo-nada iguaizinhas à que lhe havíamos dado no dia anterior". E assim, criou-se o hábito de só nos darem um aumento quando somos cobiçados por outra empresa e aí sim, ouvimos aquilo que nos faz lembrar os primeiros dias em que íamos para a cama ranger paredes. Que somos muito importantes e tal, indispensáveis, essenciais para, bonitos para, tome lá dinheiro para, nem pense em sair para. E na maior parte das vezes, esta conversa já chega tarde para, porque a vontade de sairmos é imensuravelmente maior do que ficarmos para. A vontade de os fazermos perceber o quanto valíamos. De os fazermos saber o nosso valor quando sempre lhes havíamos dito. Gritando com a certeza do público do Preço Certo. Trazendo sempre bolinhos regionais para o Fernando Mendes."

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

What in the name of God?

A semana passada foi-me dada a oportunidade de ler este livro. E eu decidi falar dele aqui, porque vou fazer um post grande no outro blog sobre livros bons que tenho lido, e este não é um deles.
Como amante da Grécia Antiga, achei que ia gostar desta perspetiva moderna, enlaçada em ironia e critica social, mas a verdade é que não apanhei o génio deste livro.
Gosto da estrutura, com as definições tipo dicionário e as citações no início dos capítulos, que até são bastante engraçadas, mas acho os capítulos curtos um bocado fora do normal, e há partes que são desconexas ou simplesmente demasiado literais ou cortadas no sitio errado. Mas a verdade é que a história até é aliciante, detalhes à parte, e alguma da ironia piscou o olho ao meu humor negro, por isso lá li numa pressinha. Afinal de contas, estava curiosa para saber como acabaria tal absurdo.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Direitos do Homem?

A semana passada, pela primeira vez desde que me lembro, o Constitucional fez o que devia: negou os recursos dos vários arguidos do Processo Casa Pia.

Até aí tudo bem, certo? Pois, o que me deu a volta ao estomago não foi isso. Foi saber que há quem vá recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Direitos Humanos? Are you kidding me? Que direito humano do sr. Cruz é que foi atingido? O de não forçar crianças a fazer coisas que não querem? O de não as intimidar? O de não suprimir os direitos dos outros?

Que o sr. Cruz dorme como uma pedra mesmo com a consciência pesada, ou que ele não a tem de todo já nós sabíamos. Mas começo a suspeitar que nas Faculdades de Direito se faz algum voodoo que suprime o bom senso dos futuros advogados e juízes...

Pergunto-me onde andam essas grandes organizações humanitárias e as suas multidões nestas alturas...eu manifs, só vê-las, mas depois de escrever isto já durmo mais leve.

domingo, 10 de fevereiro de 2013

A justiça dos concursos, sorteios, etc.

Eu tento. Dizem que sou uma pessimista. E mesmo assim tento. Refazer testes, fazer contatos, escrever este blog. E sobretudo entrar em concursos e sorteios.
E apesar de nunca acreditar realmente nisso, peço desejos quando vejo capicuas no relógio e todos os dias rezo para que seja o meu dia, espero que o destino traga boas notícias.
E apesar de tudo, raramente chega.
Eu sei que estou longe de ser a pessoa com pior sorte nestas coisas. Mas tenho uma sorte malévola, que raramente me decide favorecer quando realmente interessa. E talvez haja uma razão para isso. Talvez haja uma razão pela qual por mais que tentemos, por mais que queiramos com toda a nossa vontade, e por mais que a sorte que nos queira ajudar, há sempre alguém que quer mais, que tenta mais, ou que tem uma sorte mais fiel.

Ou seja, há sempre alguém que não se deixa levar pela sorte e toma todas as situações nas suas mãos, que sabe jogar o jogo melhor que nós. E é por isso que temos todas as semanas a muy-frustrante sensação de ver sempre ganhar os mesmos nomes, qual Benfica na Taça da Liga.

E que juramos, nada contra aquelas pessoas, que se pudéssemos as matávamos, ou ao maldito dispositivo eletrónico que lhes escolheu os nomes, ou ao infeliz que inventou as regras.

Mas não fazemos isso. No fundo, apenas desejamos,em vão, que essa gente se esqueça de jogar ao Euromilhões na semana a seguir, a ver se o nosso nome aparece em vez do deles.

Até ao dia em que deixamos de tentar.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

São rosas, senhor, são rosas!

Não sei bem porquê, esta semana tenho estado a pensar no Milagre das Rosas. Vocês sabem, aquele que diz que a Rainha Santa Isabel transformou o pão que levava no regaço para os pobres em rosas para o esconder de D. Dinis.

Eu ás vezes pergunto-me porque raio cria a memória coletiva estes mitos. É que para já, não enganou ninguém, que D. Dinis devia ver o TV Rural (esse é outro em que tenho pensado e sobre o qual queria escrever, mas temo não perceber muito do assunto), e sabia que não havia rosas em Janeiro. E depois, porque a única vantagem que o golpe teve foi salvar o Santissimo rabo da Rainha Santa. Isto é, a não ser que as rosas depois se tenham voltado a transformar em pão, mas a lenda não fala disso, por isso suponho que as rosas devem ter adornado o Mosteiro de Santa Clara, mas não mataram a fome a ninguém.

Da mesma maneira que ir todos os anos a pé a Fátima não vai fazer o Benfica campeão...a não ser que a Nossa Senhora encarne os árbitros que os ajudam todos os anos a ganhar a Taça da Liga...

Santa Isabel, Senhora de Fátima...muitas santas neste país, mas verdade seja dita, milagres que era bom, esses escasseiam, como o pão em Coimbra que as rosas substituíram.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

TV Rural, qual é o mal?

Eu sei que esta questão já tem mais barba que o Pinto da Costa, e deve ser tão relevante como a roupa interior do Liedson, mas tenho mesmo de dar a minha colherada.

O governo quer reinstituir na RTP, que ainda é deles de qualquer dos modos, o velhinho e extinto lider de audiências (pelo que me têm dito), TV Rural.


Ora bem, tirando o óbvio facto de que o governo nem sequer queria a RTP há bem pouco tempo, e que portanto não deveria ter poder de decisão, nem sequer de sugestão nestas matérias, não vejo o escândalo.

Afinal, o serviço público deve ter, e tem um pouco de tudo - programas regionais. religiosos, científicos  debates, séries americanas...- então, porque não um programa sobre agricultura?

Eu não veria, não é o meu estilo, mas acho bem, se for um programa de ponta, a mostrar uma agricultura moderna e sustentável, que atraia os jovens para a atividade, a desenvolva, faça crescer o país e nos torne menos dependentes de fruta espanhola.

E se  não for por mais nada, porque como já foi mencionado, era um lider de audiências, e nós sabemos que disso a RTP bem precisa.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Das novas secretarias de Estado...

Bem, eu tenho-me abstido de escrever mais, porque ao que parece não há grande interesse em ler as minhas divagações, e as que tenho tido não são de tudo muito sanas, mas hoje mais um vezes tenho de falar de politica.

Lá toda a gente anda a falar do novo Secretário de Estado da Inovação e do Empreendedorismo. Epah, honestamente acho que andamos a perder o nosso tempo. Para já, porque muita gente idónea faz parte daquele governo e continuará a fazer pelo menos por mais um ano. E depois porque, penso eu, mais preocupante que a idoneidade do Sr. Secretário de Estado - que eu até acredito que o seja, se assim o quiser - são as próprias Secretarias que foram criadas ou remodeladas ou como quiserem chamar.

Porque num país com uma economia cada vez mais estagnada, o Governo, que até é quem mais contribui, tem a distinta lata de ter uma Secretaria de Estado da Inovação e Empreendedorismo. Num país com um crescente número de desempregados, nomeia-se um sr. Ex-UGT para Secretário de Estado do Emprego.

As minhas conclusões: primeiro que tudo, you got to be kidding me! E segundo, ninguém me convence que nomeações tão por demais polémicas só podem ter um objetivo: distrair atenções. E estão a conseguir, que a seguir ás crises no Sporting e no PS, não se fala de outra coisa.

E é tudo, por agora.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Leões em fuga?

Este não é tanto um post de opinião como um desabafo que basicamente deixou de caber no outro blog. Há muito, coisa de quase 1 ano, que não tenho falado de futebol, porque tenho estado honestamente desiludida e sem paciência para ele. E esta notícia é só mais uma, e à maioria dos Sportinguistas nem vai importar assim tanto mas...Depois do Elias, e do Insúa...agora o Pereirinha rescindiu contrato com o Sporting.

E podem-me chamar tola, mas doi. Dói porque não sai por um grande negócio que confirma o talento dele. Dói porque no meio de tantas saídas, parece que está a abandonar o barco. Dói por ser agora que a equipa se estava a começar a levantar. E sobretudo dói porque soube a notícia através de um comentário de um adepto da Lázio no meu video de homenagem.

Toda a sorte do Mundo para ele, que seja mais aproveitado lá do que foi cá, porque bem merece e já começa a ser tarde para ele. Mas dói.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Em que mundo é que estamos?

Não sei se já repararam pelas horas que eu tendo a escrever estes textos depois de ver as notícias. E este fim de semana tem sido prodigioso em más notícias. Incêndio no Brasil, viagem literalmente de morte a caminho da Feira, uma mãe perdeu 7 filhos e outra matou (alegadamente) 2.

O que me leva a perguntar...mas em que mundo é que vivemos? Eu gosto de ler histórias de futuros disópicos com zombies, vampiros e campos de concentração, mas credo, começo a achar que esses futuros não estão assim tão longinquos e os monstros, embora menos óbvios, são bem reais.

Senão vejam lá isto:
Catástrofes naturais - check
Queda do capitalismo - check
Destruição - check
Mortes em massa - check
Fome e doenças - check
Pessoas a perder a cabeça - check
Guerras - a caminho

Agora só falta os 200 e tal que morreram no Brasil começarem a voltar à vida e a morder pessoas, e estamos no início de um dos meus livros de escolha do momento.

E o pior é que estas coisas só acontecem mesmo a quem não tem culpa...


sábado, 26 de janeiro de 2013

Eu sei que politica não se discute mas...

Por esta altura nem sei bem de que lado estou mesmo, por isso não é discutir, é apenas expressar a minha frustração com o estado das coisas.
Eu sempre me interessei por politica, e sempre apoiei o mesmo partido, apesar de todas as circunstâncias socio-culturais que me rodeiam. Ultimamente, quando mais devia estar atenta, muita coisa me passa ao lado...até deixar de passar.

Não estou feliz com o governo, mas também não deixo de estar, não fui eu que os elegi, e não vejo forma de os destronar, por isso porquê perder tempo. Mas algo mais grave se passa, e só não vê quem quer. O nosso governo esteve perto de dar uma volta de 360º esta semana, ao mesmo tempo que o PS entrou em rebuliço. Coincidência? Não me parece.

A mim parece-me que o governo se sente inseguro, e que o PS ou a provocou, ou a quer aproveitar. Mas está a fazer asneira. Porque no meio desta confusão, 2 coisas se tornam óbvias para mim: que César está pra Costa como Relvas está pra Coelho, e isto não pode acabar bem. Até porque Relvas e Coelho se devem estar a rir com a confusão do outro lado.

Eu fui a primeira a chamar ao Seguro tanso, e manso e todos esses outros nomes acabados em #anso", mas não admito que desrespeitem o trabalho do homem, e que me atirem areia pros olhos. E digo já que não alinho, como não alinhei quando ocorreu a última troca de governo. Porque o meu voto pode não ser útil pró grande esquema das coisas, mas será para as minhas convicções, e eu adoro dizer "eu avisei-te", e "a culpa não é minha, é de quem votou", como boa apreciadora de politica que sou.

E tenho dito.

sábado, 19 de janeiro de 2013

Two Wheels, No Brains

Eu não gosto de ciclistas.  Não é que eu por vezes não odeie os peões, e sobretudo os automobilistas, mas os ciclistas dão cabo do meu sistema nervoso. E não vale a pena virem dizer que ´w heresia, outra pessoa há-de mo dizer na cara, sendo que eu tive o infortúnio de nascer numa família, que entre outras coisas, venera as 2 rodas.

Eu nunca soube andar de bicla. Adorava o triciclo, bicla com rodinhas, blicla de exercício...só nunca soube andar numa normal. E odeio ver ciclismo. Normalmente ponho na Eurosport no Verão porque sei que está a dar ciclismo apenas para me ajudar a estudar, ou a adormecer, ou para ter tema de conversa mais tarde.

O meu problema é este: os ciclistas acham que o mundo é deles. Que podem intimidar os peões para fora das vias ao pé da praia, que podem ir por qualquer parte da estrada e que os condutores é que têm de ter cuidado. E que podem tomar drogas, ganhar 7 voltas a França e depois confessar e acabar com os sonhos de meio mundo.

Ah, e fazer manifestações, com este tempo, e depois dizer na TV que no caminho um condutor ia a apertar com eles, porque estavam a andar no meio da estrada para fugir aos buracos da berma.

Pois. Se calhar sou eu que tenho inveja que não sei andar naquilo, e até podemos dizer isto de outras pessoas com veículos, e de outros atletas, que eu bem sei e admiro.

E sim, eu concordo com a ideia de haverem manifestações porque muita gente é atropelada. Mas eu diria que com este tempo, foi um milagre não ter dado asneira.

E para os totós das biclas, que tal ler o código da estrada antes de ser queixarem dele?

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Salvem as p****!

Eu acho que a prostituição devia ser legalizada e regulada, mesmo se agora não é crime. Acho incrível que a profissão mais antiga do mundo não seja protegida pela lei, até porque é uma profissão de risco, e para ser sincera, vale mais o que é pago do que o futebol, por exemplo, e os homens, nomeadamente jogadores, que ao que parece são especialistas experimentados na matéria, que o digam.

Eu não sou especialmente impressionada pelo sexo. Se me incomoda? Quando é gráfico, um bocadinho. Se acho que devia ser feito só por amor? Cada um sabe da sua vida. Se acho certo receber dinheiro por isso? Cada um vive com a sua consciência.

Agora, acho incrível que os legisladores deste país façam as mulheres sofrer e correr riscos desnecessários para pagar por uma escolha que é apenas delas, na maioria dos casos. Sim, porque o corpo é delas. E não as deviamos sujeitar a doenças, a precariedade, violência e tráfico humano por isso.

Por isso sim, se o Goucha tem problemas com o prazer é com ele, mas eu acho que deviamos proteger as p****, e legalizar a mais antiga profissão do mundo.

E tenho dito.

domingo, 13 de janeiro de 2013

I'm on a roll..

Pois, parece que não consigo parar de escrever para aqui de momento. É uma fase, suspeito que quando deixar de ser novidade ou eu tiver mais que fazer isto acalma.
Quero agradecer a quem opinou, a quem passou e seguiu até agora, mesmo que não concorde comigo. Eu faço intenções de aceitar todos os comentários desde que não sejam insultuosos, só não garanto que responda diretamente a muitos, porque não quero provocar discussões daquelas que nunca acabam. E vou tentar conjugar a minha personalidade com algum profissionalismo.

Acabei agora de ver um filme, Now Is Good, com a Dakota Fanning, muito parecido com A Walk To Remember, inspirado no livro de Nicholas Sparks, que a Sara a modos que me obrigou a ver. Não o achei particularmente bom ou bem feito, mas mesmo assim estive perto de chorar em certos pontos...Contraditório não? Como é que um filme de que realmente não gostamos nos pode tocar no fundo? E a verdade é que fiquei um bocado impaciente, com vontade de fazer o que quero agora, o que não vai poder ser porque não depende só de mim.

Anyway, preferia ter visto Silver Linings Playbook, estou morta por ver. Espero que seja pra semana. E já agora o The Sessions parece super engraçado...

Bem, mas estas considerações não são pra este blog, acho.

Alguém sabe como é que eu faço pra patar de receber um mail cada vez que aceito um comentário?

É tudo, por agora, que ainda tenho muito que fazer antes da Casa do Degredo...

Operação Azeitona segura!

Wow, neste país já se rouba tudo. Não se respeita os reformados, rouba-se-lhes parte da pensão, não se respeita o bem público, rouba-se cabos de telefone e eletricidade.

Mas chegamos ao ridículo quando se quando se deixa de respeitar os mortos. Muita coisa acontece nos cemitérios...rituais de voodoo, festas de halloween, brincadeiras parvas, cobranças aos mortos, roubos aos vivos, que nem para manter a sua casa têm, mas pagam balúrdios pelas dos queridos defuntos. E agora parece que assaltos a campas também, não sei como é que as pessoas não se sentem assombradas nem com dificuldade em dormir depois de uma coisa dessas.

Agora, eu tenho de me rir quando vejo que tristemente, se encontrou uma nova forma de roubar os agricultores e gozar com a cara dos polícias. Depois da PAC e do mau tempo, agora o roubo da azeitona para vender azeite ranhoso na beira da estrada. E onde é que entram os polícias? Na Operação Azeitona Segura, claro está, que a azeitona é um bem precioso, e o Azeite Galo também, e por isso compara-se a crianças e a maus condutores que se despistam nas festas...

E isto é Portugal, gente! O que é Nacional é bom, mas tenham cuidado a comprar azeite na berna da estrada ok?

sábado, 12 de janeiro de 2013

Bebé vs. Cão? Are you serious?

Acho esta situação do cão e do bebé incrível  Honestamente acho que está a passar das marcas. Quando as pessoas começam a pôr os supostos direitos dos animais antes dos seres humanos, eu começo a perguntar-me...mas de que lado é que eles estão afinal? São pessoas ou são apenas animais?


Eu confesso que gosto muito pouco de animais, e sobretudo de cães, porque morro de medo deles. E estas situações não ajudam. Nada me mete mais impressão que pessoas que gostam de irritar cães e meter a mão na boca deles, á espera que mordam. Depois admirem-se.

Eu não consigo sequer chegar ao pé de cães daqueles que mais parecem vacas, e muito menos se forem irrequietos. E olhem que eu já tive uma cadela, e até hoje não percebo de quem foi a infeliz ideia.

Mas não falemos de mim. Podem chamar-me insensível as vezes que quiserem, mas não percebo as polémicas e movimentos de solidariedade que se geram de quando em vez em torno dos animais. Ora não matem o touro na arena que ele sofre...HELLO, ele está ferido, já está a sofrer mesmo, há ainda alguma coisa a perder?

Ah, o cãozinho sentiu-se atacado, não sabia o que estava a fazer...e o bebé sabia? Caramba, um cão bem treinado sabe quem são os amigos e não faz isto assim. Até eu sei disso.

Já foram seres humanos mortos por menos...mas não toquem no cão! Are you serious?

Por isso poupem-me, e já agora façam-me um favor: se gostam assim tanto de animais, criem um cão em vez de uma criança, que para as tratarem mal e porem em risco, mais vale, ao menos o cão sofre menos.